Início Bitcoin Comprámos moedas virtuais. Perdemos dinheiro com a bitcoin

Comprámos moedas virtuais. Perdemos dinheiro com a bitcoin

Durante 20 dias, andámos na montanha-russa. No início, parecia uma escalada. Depois, deu um trambolhão. Investimos em criptomoedas. Ganhámos numa, perdemos com a bitcoin.

Sem conhecer os cantos à casa, lançámo-nos numa incursão pelo mundo das criptomoedas. Comprámos pequenas quantias de bitcoin e Ethereum, duas das moedas virtuais mais populares do momento, para melhor perceber os conceitos por detrás destes ativos tão voláteis, mas que estão a causar furor nos mercados financeiros. E durante algumas semanas, detivemos uma parcela ínfima deste universo (literalmente): 0,00158622 de bitcoin e 0,04075949 de Ethereum.

Antes de continuarmos, vale a pena desmistificar: não foi preciso uma conta recheadíssima para nos tornarmos detentores de criptomoedas, ainda que as notícias do dia apontem sempre para valores exorbitantes que algumas destas divisas têm vindo a registar. No nosso caso, apostámos 50 euros. O investimento real, porém, foi de 48 euros, na medida em que pagámos dois euros de comissões pelas duas transações através de uma das plataformas mais conhecidas. Já lá vamos.

O primeiro desafio é encontrar a “loja” certa. Existem diversas formas de transacionar estas moedas, embora os mais entendidos costumem recomendar guardá-las sempre em carteiras (wallets) em que o utilizador controla a chave (private key). No entanto, para encontrar liquidez no mercado, vimo-nos obrigados a confiar a nossa pequena poupança a um intermediário — e a pagar taxas por isso. A primeira tentativa foi a Bitfinex, uma das maiores corretoras de criptomoedas.

Foi durante o processo de registo que percebemos que a experiência não ia ser pêra doce. Na altura, na semana de 11 de dezembro, a bitcoin seguia com os máximos ligados. O lançamento dos contratos futuros em Wall Street, um instrumento financeiro derivado da moeda, estava a dar gás ao mercado das criptomoedas. E conseguimos fazer o registo na plataforma. O problema é que, para podermos depositar dinheiro real, a conta tem de ser verificada: foi-nos pedida documentação, comprovativos bancários e de morada, selfies e fotocópias do cartão de cidadão. Aliás, avisaram-nos logo: a verificação iria demorar cerca de um mês.

O grande dia: 15 de dezembro

No momento em que este texto está a ser publicado, continuávamos à espera da verificação. Entretanto, a Bitfinex suspendeu a criação de novos registos. Mas, nesse momento, já tínhamos partido para outra. Escolhemos a Coinbase, uma das mais conhecidas. Depois do registo, demorámos uma semana a conseguir que verificassem a nossa identidade — a plataforma estava sempre sobrecarregada. A 13 de dezembro, tentámos usar um cartão virtual MBNet para transferir os fundos para a empresa, mas sem sucesso: o banco não estava a autorizar a operação. Assim, optámos pelo método alternativo, que também nos poupou nas comissões.

A 14 de dezembro, realizámos uma transferência interbancária internacional para a Coinbase, na qual indicámos a nossa referência de utilizador. A 15 de dezembro, ao final da tarde, os 50 euros apareceram na nossa conta na Coinbase. No leque de criptomoedas disponíveis para compra estavam a bitcoin, o Ethereum e a Litecoin (entretanto, a Coinbase passou a suportar bitcoin cash, uma moeda que derivou da bitcoin em agosto). Comprámos pequenas porções das duas primeiras. Mais propriamente:

  • 0,00158622 BTC por 24 euros + 1 euro de taxa, quando a moeda valia 15.130,31 euros;
  • 0,04075949 ETH por 24 euros + 1 euro de taxa, quando a moeda valia 588,82 euros.
  • Investimento real, sem taxas: 48 euros.

As compras foram praticamente instantâneas, espelhando a boa liquidez do mercado naquela altura. O passo seguinte? Acabados de entrar na montanha-russa, fizemos o que qualquer outra pessoa faria: sentámo-nos bem sentados e esperámos que começasse o sobe e desce da viagem. Certo é que não tardou.

Delta, para acompanhar o percurso

A Coinbase tem uma aplicação móvel que permite saber, em tempo real, quanto vale o portefólio de criptomoedas. Contudo, para ganharmos mais margem de manobra, instalámos a Delta, uma aplicação móvel para iOS e Android que permite acompanhar os sobe e desce das divisas virtuais (também experimentámos o Blockfolio, como se vê nas imagens mais abaixo, mas tivemos algumas falhas e decidimos desinstalar). Indicámos à plataforma todos os detalhes da compra e a Delta rapidamente começou a desenhar o gráfico, atualizado minuto a minuto.

Ao longo de mais de 15 dias, fomos abrindo a aplicação várias vezes — assim, só para matar a curiosidade. Nos primeiros dias, a viagem foi só num sentido: a subir. A nossa carteira de bitcoin e Ethereum valorizou, ao ponto de namorar um limite máximo próximo dos 55 euros entre 18 e 19 de dezembro, num momento em que a bitcoin se aproximou dos 20.000 dólares. Por outras palavras, em dois dias, o investimento não só pagou-se a si próprio (os dois euros de taxas) como ainda deu um retorno financeiro superior a 14%. Durante esse período, esquecemo-nos que estávamos numa montanha-russa. Parecia mais uma escalada da montanha.

O problema veio na altura do Natal. Tanto a bitcoin como o Ethereum iniciaram uma queda vertiginosa e, em poucos dias, os 55 euros passaram a 50. Depois, a 49, 48, 47. Nada parecia travar a derrapagem. Contas feitas, entre 19 e 29 de dezembro, o nosso portefólio afundou quase 25,5% (face ao máximo), até um mínimo de 41 euros. Do lado de cá do ecrã, parecia que a tão falada bolha tinha finalmente rebentado.

Está tudo bem. Era só turbulência

Afinal, não havia bolha. Logo a 1 de janeiro, já em 2018, vimos a luz ao fundo do túnel. O nosso investimento voltou a valorizar e a recuperar do trambolhão da época natalícia. Dois dias depois, a 3 de janeiro, a carteira já tinha valorizado mais de 6%. Perto das 19h00, atingiu a linha de água e os números voltaram ao verde. Pelas 19h20, já havia lucro: 51,24 euros era o valor mostrado no ecrã do telemóvel, cerca de 7% de rendimento face aos 50 euros investidos em dezembro.

A parte interessante de tudo isto é que não foi a bitcoin a moeda que rendeu. Foi o Ethereum. Ao longo desta experiência, os ganhos com Ethereum suplantaram as perdas com a moeda virtual mais conhecida do mundo. Ora veja as contas:

  • Investimento em Bitcoin: perdeu 17,84% (de 24 a 19,72 euros);
  • Investimento em Ethereum: ganhou 31,34% (de 24 a 31,52 euros);
  • Rendimento sem contar com as taxas: 6,75% ou 3,24 euros.
  • Lucro total: 1,24 euros.

A bitcoin até pode ser a rainha das moedas virtuais, mas existem alternativas que podem ser mais lucrativas, com a nuance de que, quanto mais diversificado for um portefólio, menor é o risco — risco que, ainda assim, é alto em qualquer criptomoeda que se compre. A Coinbase suporta, além das duas moedas que comprámos, Bitcoin Cash e Litecoin. Esta última vale pouco mais de 200 euros e, entre dezembro e janeiro, praticamente duplicou o seu valor.

Existem muitas outras que podem ser compradas em corretoras diferentes, como o Ripple, que valorizou cerca de 1.150% no último mês, de poucos cêntimos até cerca de 2,50 euros. Chegados aqui, quer investir em criptomoedas? Que montanha-russa vai escolher?

Nota: As indicações apresentadas no artigo não representam dicas de investimento. Ainda assim, saiba que as criptomoedas são um ativo volátil sujeito a um elevado grau de risco — sem qualquer tipo de regulação. Informe-se antes de realizar qualquer investimento, pois pode perder todo o dinheiro aplicado.